Bate-papo no PAF I da UFBA (Ondina, Salvador) - 13 de julho de 2017

Bate-papo no PAF I da UFBA (Ondina, Salvador) - 13 de julho de 2017

Postagens populares

Visualizações de páginas da semana passada

Google+ Badge

Translate

21 de fev de 2014

Socio-lógica do rolezinho


Por Muniz Sodré em 04/02/2014 na edição 784 / Observatório da imprensa
Desde junho do ano passado, cada nova forma de manifestação coletiva que parece assombrar as ruas e aturdir a imprensa é uma demanda implícita de nova chave explicativa para o fenômeno. As chaves costumeiras (“o que pretendem os manifestantes”, “a que servem” etc.) não dão mostras de funcionar, porque as manifestações parecem buscar sentido em si próprias, tal qual imagem de espelho.
Um bom exemplo é a “finalidade” como linha de explicação, isto é, como tentativa de esclarecer um ato ou uma atitude qualquer pelo objetivo buscado. Em junho, havia uma finalidade econômica na luta pela redução no preço da passagem de ônibus em São Paulo, mas foi logo superada pelo contágio social de ações contidas em si mesmas, embora com um escopo sugestivo de mudanças globais. Também o posterior quebra-quebra dos black blocs escapava a qualquer finalidade política identificável.
Agora, há o “rolezinho”, que inquieta – pasmem – o próprio Palácio do Planalto. Apesar das sugestões de generalização (o contágio viral da internet), é originalmente um fenômeno paulistano, que comporta, para início de esclarecimento, a categoria “espaço”, ainda não suficientemente abordada em sua diferença com o Rio de Janeiro.
Por isso, é útil atentar para distinção que fazia o pensador Félix Guattari entre “espaço estriado” (ou “áreas territorializadas”) e “espaço liso”. No primeiro caso, trata-se de uma área de sentido denso, pela presença de símbolos étnicos, religiosos ou culturais de todo tipo. Já o “liso” tem a ver com “um espaço desterritorializado, onde não há mais os mesmos tipos de circunscrições ou delimitações por emblemas étnicos ou religiosos, por exemplo”.
“Minorias flutuantes”
Por mais penosa que seja e tenha sido a vida das classes pobres das favelas, o Rio de Janeiro sempre se caracterizou por uma proximidade ambígua entre o Morro e o Asfalto, favorecida pela topografia específica da cidade. O historiador do samba José Ramos Tinhorão descreveu-a como uma “promiscuidade vitalizadora” – topográfica, errática, não deliberada – que permitia um certo interculturalismo entre membros de classes sociais diferentes: jovens de pele clara, “filhos de família” em contato com negros e mestiços que detinham a “chave folclórica” das festas e ritmos populares, inclusive do próprio samba.
São essas “estrias” ou marcas de singularidade humana que transformam o espaço em território. E apesar da atual transformação da metrópole carioca em megalópole, algo permanece dessa velha densidade simbólica que preserva alguns traços territoriais, a despeito das mutações provocadas pelo tráfico de drogas e pelo recrudescimento da violência.
São Paulo sempre teve certamente cruzamentos sociotopográficos entre suas “colônias” de imigrantes tanto de origem estrangeira quanto interna, de outras partes do país. Disso um resultado cultural admirável é a música de gente como Adoniram Barbosa, Paulo Vanzolini etc. Mas hoje, gradativamente, o espaço global da cidade é descrito pela imprensa como “liso”, sem pontos simbólicos de intersecçãoperceptíveis entre as classes sociais, principalmente para os jovens. De fato, a megalópole “sem praia” (como se tem acentuado) estende-se homogênea e horizontalmente, sem uma síntese capaz de incluir a diversidade cultural das zonas periféricas. Até mesmo os shoppings, que são núcleos de apropriação indiferente de consumidores, deixam transparecer a distância entre a periferia espacial e o centro nervoso da cidade.
O problema está em se saber que distância é essa.
A se julgar pelas imagens midiáticas dos figurantes do rolezinho, os chavões explicativos do tipo “excluídos do consumo” são descartáveis. Os implicados parecem bem incluídos nos padrões médios de consumo, com roupas e tênis de grife, além de acesso à internet. E como a maioria dos “incluídos” de hoje, não protestam nem reivindicam coisa alguma. Alegadamente, eles querem apenas divertir-se.
E o problema, então? Econômico não é, político-partidário não é, criminal não é, mas é certamente territorial e estético ou estésico. Aqui, o aspecto territorial diz respeito à falta de uma densidade simbólica (por exemplo, uma tradição étnica, ainda que eventualmente desprezada pela ideologia dominante) reconhecível.
Ao mesmo tempo, é possível encontrar na estesia (no caso, talvez este termo seja mais adequado do que a estética), portanto, na esfera dos gostos, dos juízos de aparência e nas emoções, uma chave explicativa adequada. Exibir-se ou ostentar as aparências de indivíduos inseridos no consumo torna-se imperativo num tipo de sociabilidade “lisa”, mas vetorizada pela sincronização digital das emoções – pela internet. A essa sincronização virtual corresponde uma fragmentação bastante real no nível das relações de trabalho, de família e de vizinhança.
Na concretude do território físico, a distância social se mostra (ali não há morro perto de asfalto). Mas graças ao “território” do consumo – onde identidades tentam forjar-se no enlace amoroso de pessoas e objetos – e ao espaço demarcado da rede eletrônica, os jovens são compelidos a romper os limites geográficos dos bairros periféricos e os percalços da fragmentação social para se fazer reconhecer na “praia” do consumo, isto é, no shopping.
Só que isso não é feito no modo objetivo e isolado do consumidor padrão, e sim em grupo. Findas a era e a ideologia do consumo de massa (típicas da segunda metade do século 20), viceja agora o individualismo de massa, que favorece o florescimento de “coletivos” ou de “galeras” sem verdadeiro espírito de grupo, ou seja, sem estabilidade identificatória. Comunidade, se há, é apenas no plano das emoções.
A isto se tem chamado de “minorias flutuantes” [cf. Raquel Paiva em “Minorias flutuantes: Novos aspectos da contra-hegemonia. Revista /Animus (UFSC), 2002, p. 9]: coletivos que podem mostrar-se e desaparecer depois como um objeto no mar. Trata-se afinal de diversão pelo autorreconhecimento ou pelo instantâneo reconhecimento mútuo.
Papel da imprensa
O rolezinho é uma espécie de selfie grupal.
Só que é difícil acomodar grupos no espaço exíguo do shopping, programado para atos igualitários, mas individualizados na compra ou na contemplação de vitrines. Uma boa questão é a de se saber qual seria a reação a grupos compactos de jovens de pele clara ou brancos brasileiros. É certo, porém, que o colorido e iluminado igualitarismo daquele espaço é infenso à gradação forte dos fenótipos, isto é, aos coletivos “escuros”. Em si mesma, a arquitetura do shopping (recorde-se Le Corbusier: “É preciso matar a rua!”) embute preconceitos. É uma arquitetura de bunker, em que se faz inerente a repulsa à diversidade.
O espírito que preside a tudo isso é global, porque sem educação de qualidade que garanta a entrada de todos na ordem da produção, cabe ao “resto” histórico a inserção social pelo consumo. É o único caminho aberto pela ideologia neoliberal às massas, que anseiam pela confirmação coletiva de sua condição consumidora. O consumo é um território novo, onde o factício é fato social, e o virtual aspira à realidade.
Isto é geral, vale repetir, mas em alguns dos fenômenos ancorados no artificialismo desse território, há particularidades locais, como o rolezinho, que é originariamente paulistano. É preciso frisar o “originário”, uma vez que, em tempos de internet, o local pode tornar-se rapidamente global pelo contágio viral das redes sociais. A mídia corporativa também contribui para isso na medida em que exagera o microevento, fazendo-o repercutir como grande notícia e ampliando, com um pano de fundo paranoide, as suas dimensões. Em outras palavras, a mídia tradicional também “sugere” a ubiquidade do evento.
Mas pode acontecer que, na mudança de local, reste do fenômeno apenas o nome. No Rio, trata-se de “apoio”. Segundo a imprensa, o rolezinho que levou ao fechamento do Shopping Leblon no dia 19 de janeiro, um domingo, e causou a queda de 60% do comércio no feriadão tinha como objetivo apoiar a “galera” de movimento semelhante em São Paulo. Era gente com curso superior completo (63%) e residente, em sua maior parte, na Zona Sul do Rio. Em suma, era gente do “filé” existencial, que estava ali para “protestar”, como foi declarado numa pesquisa.
Desde junho passado, como se sabe, protestar é um verbo que dispensa preposição e objeto. Pode-se protestar contra tudo, até mesmo contra a chuva que inunda e arrasa casas em bairros pobres. À primeira vista, seria insensato protestar e queimar veículos por algo que depende em termos imediatos da natureza ou, em termos mediatos, da imprevidência do Estado. Mas já faz parte da percepção pública a evidência de que a insubordinação das ruas causa um tipo de medo que atrai a mídia e, em consequência, a atenção dos poderes constituídos.
O medo é, assim, um grande vetor de ações. No shopping ou na rua, gente aglomerada e com “cara de povo” (a estesia ostentatória do consumo não apaga a diferença étnica) acaba provocando medo. É este o sentimento patético que transparece em comentários de jornais ou em colunistas de revistas, supostamente avançados e cultos. As ditas altas autoridades do país não ficam atrás: de olho na Copa, há quem pense em demarcar zonas de protesto (o Ministério da Defesa afirma que não é sua esta ideia) como se demarcam zonas de festa – fan protest, assim como fan fest. O fato, entretanto, é que comerciantes paulistanos e representantes do rolezinho já se reuniram para negociar a institucionalização do evento. Na certa, aviso prévio, menos gente, menos tempo, menor espaço.
Se existe sambódromo, por que não um protestódromo?
O que fica mesmo evidente é que, nesta nova ordem social em que as emoções são globalmente sincronizadas pela internet, o pânico pode ser manejado também pelas massas como uma espécie de trunfo na manga contra a indiferença do poder de Estado às condições reais de vida. Por sua vez, entretanto, o mesmo Estado administra vários tipos de medo – a depredação das garantias trabalhistas, as ameaças veladas ao regime das aposentadorias, a insegurança das ruas etc.
Uma imprensa capaz de ponderar e de orientar seria um antídoto razoável para a síndrome de confusão dos juízos avaliativos das mudanças e tensões que vêm aturdindo os grandes espaços urbanos. Para tanto, imprensa teria de ser algo muito diferente de shopping, quer dizer, algo além da mera oferta de objetos, serviços e shows. Sem reflexão e ponderação públicas, outros fenômenos dessa natureza tendem a aparecer, a irradiar-se nos espaços físicos do país e a amedrontar incautos e eleitoráveis. Afinal, quem tem Copa tem medo.
***
Muniz Sodré é jornalista e escritor, professor titular (aposentado) da Universidade Federal do Rio de Janeiro
Postar um comentário