Bate-papo na Biblioteca Alceu Amoroso Lima, dia 14 de maio de 2017

Bate-papo na Biblioteca Alceu Amoroso Lima, dia 14 de maio de 2017

Postagens populares

Visualizações de páginas da semana passada

Google+ Badge

Translate

29 de abr de 2016

A dança entre Cronos e Tempo no livro Sobre-viventes!

As crônicas são, certamente, as filhas diletas do Deus grego Cronos, imperador do
tempo. No entanto, por esta perfilhação tão bem definida, elas costumam a carregar nas costas a marca dos dentes do pai. Elas nascem marcadas de tempo, eivadas de traços que as aprisionam em cenas e em contextos que as ligam umbilicalmente a situações definidas, realmente marcadas. Praticamente nenhum grande cronista, de Drummond a Rubem Braga, escapou disto.
No entanto, o que Cidinha da Silva traz aqui nestas páginas é uma surpresa ao leitor, um assomo!
Suas crônicas foram nascidas de outra divindade, do Deus Tempo: aquele que vai e volta, que faz curvas, que se curva, que dança na memória, baila no vento e se lança de hoje a um futuro amplo e indefinido, mas sempre certo. Tempo é uma divindade do Panteão Africano, um Deus poderoso, do qual cuidamos como filhos que lhe têm medo e respeito, por que sabemos que ele vai e que ele volta, e nunca sabemos de que dobra ele sairá na próxima cena! E assim, com esta vida herdada do Pai, é que se erguem as crônicas de Cidinha da Silva neste livro (Lívia Natália, no prefácio).

Postar um comentário