Me oriente, rapaz!

 Por Cidinha da Silva



Um amigo, pai pela terceira vez, me comove com o novo ofício. Enquanto aguarda o rompimento da bolsa nidifica o mundo para acolher o rebento. Tão bonito, isso.

Quem tem pai sabe a diferença que ele faz na vida, quem não teve, sabe também. Um pai bom nos dá coluna vertebral, nos ensina a ser algo inteiro, firme pela flexibilidade. 

Pai orienta, dá o freiriano Sul para a vida. É quem mais ensina pelo exemplo. Neste sentido,
mostra-se tradicional, primevo, inaugural. 

Dois amigos, jovens pais de meninos únicos, referem-se aos filhos como pajezinhos, mestrinhos, babalaozinhos, ou seja, aqueles que cuidam destes, protegem, orientam, repreendem, ensinam p
or meio do exemplo. É bela e tão humana essa masculinidade construída na relação de espelho entre pai e filho. 

São admiráveis esses moços que, como o poeta
, plantam um ipê-amarelo na cabeça do tempo, só para ver o sorriso do filho.

(Do livro Baú de miudezas, sol e chuva, de Cidinha da Silva).
Postar um comentário

Postagens mais visitadas