Bate-papo na Biblioteca Alceu Amoroso Lima, dia 14 de maio de 2017

Bate-papo na Biblioteca Alceu Amoroso Lima, dia 14 de maio de 2017

Postagens populares

Visualizações de páginas da semana passada

Google+ Badge

Translate

19 de mar de 2013

Cenas queridas dos capítulos finais de Lado a lado




Por Cidinha da Silva

Tia Jurema (Zezeh Barbosa) e o velho Afonso (Milton Gonçalves) quando pediram vaga para alfabetização na escola do morro, em Lado a lado, foi, para mim, uma das cenas mais emocionantes de toda a novela, não só dos capítulos finais. Arrisco dizer que a emoção de Laura ao acolher o pedido foi também a emoção de Marjorie Estiano.

Diante da certeza de que Caniço (Marcello Melo Jr.) estava usando Vilmar (Márcio Rangel)     como aprendiz na carreira do crime, Zé Maria (Lázaro Ramos) resolve lançar mão do poder instituído da polícia para deter os maus feitos de Caniço. Já ao aceitar o plano de Zé, o delegado Praxedes (Guilherme Piva) curva-se à sapiência do capoeira. No momento da contenda, o esperto Caniço foge (a polícia não dá conta dele) e Zé, talvez em dúvida sobre a atitude de entregar um dos seus a uma instância de repressão à capoeira e aos negros, deixa-o correr (Zé já fizera sua parte). Mas o herói vê Vilmar assustado, acuado (a câmera foi absolutamente feliz ao mostrá-lo parcialmente, é uma criança, sua imagem deve ser protegida, grande sacada) e compreende que mais importante do que deixar que a polícia se vire para prender Caniço é cortá-lo pela raiz, impedindo que ele envenene outras crianças. Outra vez, o delegado se curva e reconhece o valor de Zé Navalha, reconhecendo-o no agradecimento como capoeira que opera dentro da lei.

Assumpção (Werner Schunemann) usa as armas ardilosas de Constância (Patrícia Pillar) para humilhá-la. Valendo-se de autoridade moral mostra que não é um bobão, um inocente útil, mas não bate, não levanta um dedo contra ela, não a agride fisicamente, como é comum nas novelas. Ufa! A cena em que a esposa desleal gruda a entretela do casaco de Assumpção e como último suspiro declara amor e pede para ficar, merece do vingador um olhar impávido dirigido às mãos da vilã que cingiam sua roupa. Constância mira as próprias mãos depois do olhar imperativo do marido e é forçada a retirá-las, desolada. Tudo no mais profundo silêncio, sem palavra sequer, sob o olhar em sombra esmaecida (outra grande sacada da câmera) da criadagem perfilada. Só dois grandes atores para emprestar à cena como aquela,  vida e dramaticidade intensas requeridas por alguns segundos mudos.

Pai é quem cria, é aquele que acolhe, com quem a gente se identifica. É assim com Elias (Cauê Matos) e Zé Maria e também com Luciano (André Arteche) e Mário (Paulo Betti).

A conversão de Albertinho (Rafael Cardoso) ao bom mocismo foi perfeitamente plausível na trama, aconteceu paulatinamente no curso de vários capítulos, não se tratou de invenção fantástica. Convenceu até ao casal 21, em nome do cuidado e do amor a Elias. A tal sinceridade do janota, a mim não enternece, tampouco convence. Não arranca de mim nenhum suspiro ou lágrima, embora entenda a comoção de muita gente, principalmente de quem tem acertos a fazer no cartório. Meu coração é imune a esses factóides emocionais, já viu racismo demais nessa vida.

A amizade de Isabel e Laura, fio condutor da história, arrematou a colcha de retalhos numa elegia à cumplicidade feminina, alicerce de todas as mudanças, pelas quais os personagens envolvidos no crescimento pelo amor e pelo respeito passaram.

No diálogo final entre Berenice (Sheron Menezzes) e Zenaide (Ana Carbatti), depois de perseguição mútua e disputa pelas jóias conseguidas por Berenice, na função de amante de um industrial branco e corrupto, Zenaide alerta a irmã de que a queda é iminente, referindo-se ao barranco às suas costas. Desesperada e confusa, Berenice não se dá conta da situação real e responde como se a vilã mais velha aludisse à sua existência onírica em Paris, onde enriqueceria como Isabel enriqueceu. Alheia ao precipício, bastante simbólico, pois a personagem não vê o abismo da vida real que a separa do sonho impossível de virar madame como Isabel, classuda e altiva como Isabel, ela cai como Zenaide realista anunciara. Berenice morre estatelada na lama de Nanã, o começo, do morro e da vida.
Postar um comentário