Bate-papo na Biblioteca Alceu Amoroso Lima, dia 14 de maio de 2017

Bate-papo na Biblioteca Alceu Amoroso Lima, dia 14 de maio de 2017

Postagens populares

Visualizações de páginas da semana passada

Google+ Badge

Translate

17 de abr de 2014

*A arte de escrever e dar nome às coisas - Conferência de abertura do II Seminário Educação e Ancestralidade 2014

Por Cidinha da silva



INTRODUÇÃO

Nominar é principiar o mundo das coisas. Em literatura, então, os nomes são fundamentais: títulos de textos, de livros, nomes de personagens. Elisa Lucinda afirma que nomear um texto ou personagem é batizá-lo, inscrevê-lo no mundo.

São conhecidas as performances de Fernando Sabino e Clarice Lispector como pessoas muito habilidosas para dar nome a crônicas, contos, romances, etc. Contam que os dois trocavam telefonemas para dizer: "dessa vez escolhi um título insuperável" ou, "tenho um título ótimo, mas ele é mais adequado a você do que a mim, eu empresto", e por aí seguia a brincadeira, materializando a importância que os dois davam aos nomes das coisas.

O nome de quem escreve também é importante, no caso das pessoas negras ou de outras diminuídas em sua humanidade por processos como o racismo, nome e sobrenome são essenciais. A desumanização chega a ser tanta que muitos profissionais negros optam por dispor a função, profissão, título ou ofício antes do nome. Por exemplo: escritora fulana, jornalista sicrano, socióloga peixana.

São marcas também de um tempo histórico em que essa escolha emitia pelo menos duas mensagens. A primeira: profissionais negros também existem. A segunda: o mundo ordenado por padrões racistas não reconhece os profissionais negros e, mulheres e homens negros, por esse motivo, propalam seu título, sua profissão, etc. Essas duas concepções se fazem presentes e vivazes no tecido social brasileiro desde a década de 80 do século passado, muitas vezes adjetivadas pela palavra negro, que completa a expressão autoexplicativa como fosse um cartão de visitas identitário: o jornalista negro fulano de tal, a escritora negra peixana.

São leituras e ações advindas de um tempo histórico de longa duração, o período contemporâneo de resistência ao racismo. De minha parte, ser pensante da década de 10 deste século, leio-as com outros olhos. Olhos desembaçados e beneficiados pelos erros e aprendizados das gerações precedentes que permitem compreender meu próprio desconforto com os textos e reclames, nos quais, para referir-se a um profissional negro, designava-se e designa-se sua profissão antes do nome próprio.

A meu ver, este é um jeito servil-persistente de pedir licença à casa-grande. Eu me recuso, peremptoriamente, a pedir licença para existir. Eu existo e meu nome me inscreve no mundo.

Um tigre não anuncia sua tigritude. Ele ataca! Assim nos ensinou Soyinka. Meu desafio nesta conferência é mostrar como construo minha própria tigritude na obra literária que produzo há sete anos com extremo zelo e trabalho minucioso no cotidiano da escrita.

PARTE 2

Nas tradições africanas vivenciadas no Brasil, o coroamento iniciático é o momento em que a pessoa iniciada recebe o nome e nasce para uma nova vida.

Na Capoeira Angola o comportamento e o estilo de jogo do praticante engendram novos batismos. Os inseparáveis alunos de Pastinha, mestres João Grande e João Pequeno. Os mestres mandingueiros mais novos, Cobra Mansa e Jogo de Dentro. Ou ainda, o capoeirista espetaculoso e extravagante nominado como "o filho do pavão." Reparem bem o cuidado do mestre, o iniciante não é um pavão, nobre, belo e imponente, é o filho, um aspirante a pavão. A escolha dos nomes requer precisão, sempre.

No ativismo político existem pessoas que mudam de nome a cada nova fase da vida. Na primeira afirmam o nome civil ocidental seguido do sobrenome, em qualquer situação. Na segunda adotam um nome africano, pleno de significados. Na terceira, despois do grande encontro proporcionado pelo candomblé, acoplam parte do nome de iniciado ao nome social ou, no caso dos homens, principalmente, incorporam o título honorífico que recebem na casa de asè, muitas vezes um mero lustrador de ego para inflar os ogãs, dentro e fora da casa.

Na literatura, o nome do livro ou do texto, é quem primeiro atrai o leitor: Fala, amendoeira! De Drummond. Contos de vista, de Elisa Lucinda. Afrografias da memória, de Leda Martins. Coração andarilho, de Nélida Pinõn. Cacos para um vitral, de Adélia Prado. Cidades invisíveis, de Ítalo Calvino. Quarto de despejo, de Carolina Maria de Jesus. Angu de sangue, de Marcelino Freire. Cem anos de solidão, de Garcia Marques. Assim se benze em Minas Gerais, Os tambores estão frios e o belíssimo, Mundo encaixado, três obras de Edimilson de Almeida Pereira. Ainda deste autor monumental: Rua Luanda, As coisas arcas, Zé Osório Blues, Águas de contendas e uma miríade de nomes fantásticos.

Ao ouvir este conjunto de títulos, somos levadas a viajar no tempo, a formar imagens, a reviver histórias, revolver lembranças, cultuar memórias, a também navegar por mares nunca dantes navegados. O mar de Pessoa, talvez. Mar formado pelas lágrimas de Portugal, a quem perguntaríamos, "oh mar salgado, quanto de teu sal foi sangrado dos corpos africanos transportados para o Novo Mundo e de seu povo saudoso e dolorido que conseguiu manter-se em África até o embarque do próximo navio negreiro?"

Meus títulos autorais mais maduros e preciosos são de três livros de crônicas: Oh, margem! Reinventa os rios, de 2011; Racismo no Brasil e afetos correlatos, de 2013, e, Baú de miudezas, sol e chuva, no prelo.

O primeiro é um título-evocação, uma chamada para que quem está à margem estabeleça outro tipo de diálogo com a nascente dos rios, seus próprios rios.

O segundo título configura-se como constatação que consegue assumir forma lapidar na expressão afetos correlatos ao racismo, um achado literário, histórico, sociológico, dissecador da fisiologia do racismo no Brasil.

O terceiro é o baú que além de miudezas guarda sol e chuva, revela frescor, fertilidade e luz, é também um baú de responsa.

Embora a temática racial esteja muito presente em minha obra, ela não está restrita a isso, tampouco se filia ao que algumas autoras e autores negros, notadamente do Rio de Janeiro, veem intitulando como literatura de combate ao racismo. A minha literatura não é de combate ao racismo. Minha literatura é de promoção do humano, do ponto de vista afrocentrado da mulher negra que sou.

Ouvi Tony Morrison contar em 2006, durante aquela que talvez tenha sido sua primeira passagem pelo Brasil, em Paraty, que um amigo branco, muito querido e preocupado com ela, aconselhou-a a livrar-se da definição de si e de sua obra como afroamericana, porque ela já havia transcendido aquilo, não precisava mais dizer que fazia literatura negra, que isso, inclusive a impedia de conquistar um público maior. A autora de O olho mais azul então retrucou: “você consegue ler o que escrevo e pensar que foi escrito por um homem branco ou mesmo por uma mulher branca? E deixou-o a refletir, como deixo a distinta audiência a pensar sobre a tigritude de Toni Morrison.

O filme israelense The lemon tree, O limoeiro, de Eran Riklis, quando aborda uma situação envolvendo duas vizinhas, uma palestina e outra judia, escapa do lugar comum da guerra secular entre judeus e árabes.

O roteiro, aparentemente baseado em fatos reais, utiliza a guerra como pano de fundo para mostrar que existem pessoas dentro de todos os seres chamados de inimigos. Pessoas diferentes, mas com desejos comuns e simples de viver em paz a própria vida, de buscar a felicidade, seja num Limoeiro ou numa vida repleta de luxo. A maneira como o diretor mostra isso, principalmente comparando a vida das duas mulheres, uma árabe e outra judia, é muito feliz. De um lado do muro uma mulher culta, bem cuidada, solitária, charmosa, vaidosa, com problemas com os filhos. Do outro lado da cerca outra bela mulher, também vaidosa, viúva, solitária, com problemas de relacionamento com os filhos e vivendo dilemas dentro de uma religião.

A amizade entre as vizinhas parece inverossímil diante da guerra, mas, em silêncio, as duas trocam olhares reveladores da humanidade e da cumplicidade de ambas.

A luta que Saima, a personagem palestina, enceta para preservar seus limoeiros depois que o Ministro da Defesa de Israel muda-se para a casa vizinha e a Força de Segurança Israelense logo declara que suas árvores frutíferas colocam em risco a segurança do ministro, e, por isso, precisam ser derrubadas, é comovente. Saima leva o caso à suprema Corte de Israel para tentar salvar a plantação de limões. Enfim, não só a guerra destrói as pessoas e nós saímos do filme como pessoas mais plenas, porque nossa humanidade foi revisitada e alimentada pelas lentes do cinema e pelos limoeiros de Saima.

Em um média metragem, Na alegria e na cebola, do nigeriano Sani Elhaj Majori, um homem africano planta cebolas na propriedade de sua família. Sozinho cuida da plantação que é responsável pelo sustento de todos e, dia após dia, o roteiro acompanha sua rotina de pequeno agricultor, desde o preparo da terra, do esterco de gado que serve para adubá-la e quando diluído em água e borrifado nas plantas atua como pesticida natural, até os momentos da colheita, transporte das cebolas, comercialização e contagem do pequeno lucro financeiro.

O plantador de cebolas trabalha sozinho durante horas, mas, crianças pequenas (uma delas não deve ter mais do que três anos), supostamente filhas, o acompanham e observam em todos os gestos e são instadas a colaborar em tarefas leves, ao tempo em que apreendem o funcionamento de cada etapa do processo. É belo o momento em que ele se alegra ao analisar e reconhecer os bons brotos que arrebentam a terra e as crianças compreendem e parecem também aprender a reconhecê-los.

Na cena final do filme, o agricultor transporta as cebolas até a cidade, procura pelos atravessadores, negocia com eles e, ao fim das contas compara os grandes maços de notas que o atravessador ganhará ao comercializar seu produto e o pequeno montante que lhe cabe.

O racismo tem impedido que as cebolas do nigeriano Majori sejam como os limoeiros do israelense Riklis, ou seja, que possam emocionar o mundo por sua humanidade simples e transbordante. De que maneira isso acontece? Basta dizer que o primeiro filme, o israelense, chega às grandes salas do circuito comercial do cinema brasileiro, aquelas em que os ingressos custam entram 20 e 30 reais, pelo menos. O filme africano só é apresentado em mostras específicas de cinema africano, pouco divulgadas, resultados de editais, por vezes exibidos com recursos técnicos precários em salas abafadas e desconfortáveis. São filmes que não se valem de resenhas motivadoras nos grandes jornais, anúncios na TV e em revistas impressas.

A minha literatura pretende ser como o plantador de cebolas de Majori, quer apresentar a humanidade das pessoas negras, sua história, sua memória, sua cultura, sua ancestralidade, seu jeitão, seu colorido, sua polifonia rítmica, corpórea e verbal na vitrine universal. Por isso considero que o enquadramento do meu fazer literário como literatura de combate ao racismo é insuficiente, enrijecedor, limitador da potência literária do que produzimos.

PARTE 3

Meu livro Racismo no Brasil e afetos correlatos é dedicado a 21  grandes damas negras.

São 21 honoráveis senhoras escolhidas para a primeira saudação do livro.

Sueli Carneiro, a que abriu todas as portas com a certeza do ferro, a força do vento, a fluidez da água e o acalanto do mel.

Luiza Bairros, a coroa guardada por sabres e tigres, o coração de água protegido pela muralha de pedras.

Lira Marques, que fazia música com nossos rostos no barro, que grafava a memória ancestral ao queimá-lo.

Nazareth Fonseca, a professora generosa que acolheu, acalentou e orientou  uma geração inteira de jovens mulheres negras na Belo Horizonte do final dos anos 80 e início dos 90.

Leda Martins, o exemplo.

Inaldete Pinheiro que quando ouviu a escritora, menina entusiasmada descobrindo o Baobá, ofereceu-lhe uma muda que há quase 30 anos a espera no Recife.  Quem sabe por esse caule chegou à sua vidaa mais bela flor da rua do cajueiro?

Nô Homero, a amiga do conselho certeiro “escreva, Cidinha, escreva, não importa que seja só para você!”

Mazza, a primeira editora, aquela que fez o sonho florescer.

Dora Bertúlio e Maria de Lourdes Teodoro, rainhas elegantes.  Esta, de dorso tão esguio, coluna ereta e texto fino, diamante no cascalho da mesmice infecunda. Aquela, o vernáculo perfeito, erres profundos, lembrança do canto de Elizeth.

Ana Célia da Silva, a alegria mais sincera com o êxito de seus pares, puro amor fraterno.

Petronilha Gonçalves, a serenidade.

Amélia Nascimento, a que centrou a cabeça e ensinou que ser guerreira pode ser uma marca temporal, não precisa ser uma camisa de força.

Léa Garcia, Vanda Ferreira e Helena Theodoro, gratos encontros cariocas.

Leci Brandão, a força do Ogum que vai à frente e também guarda as costas.

Zezé Motta, aquela que nos fez acreditar que éramos (e somos) invenções possíveis e poderosas.

Áurea Martins, a voz rouca, firme e afinada, perfeita na extensão delicada do samba-canção que faz adormecer ou acordar, a depender do momento.

MakotaValdina, senhora das terras banto onde descansa a coroa do rei.

Paulina Chiziane, convergência de águas, requinte de linguagem e da tradição que sustenta o poder da renovação.

Parte 4

Quero agora apresentar minha tigritude em alguns excertos literários: os três primeiros escolhidos no romance infantil/juvenil Kuami, de 2011.  Depois uma crônica do livro Oh, margem! O prisioneiro. Depois, duas crõnicas de Racismo no Brasil e afetos correlatos, Os mortos e Anderson Silva tomba e Cauby canta Cavalo Marinho. Por fim, duas histórias do livro Baú, Durga e a senhora das águas e Duas mulheres numa rua íngreme.

Nzaambi ye kwaatesa!

* Realização da Rede Africanidades - FACED/UFBA
Postar um comentário