Na Rede (4)


Por Cidinha da Silva

Eu não acredito em arrependimento de paneleiros e de coxinhas, simplesmente porque eles não mudariam seus interesses de classe. É possível que mudem de estratégia ou a radicalizem apoiando os grupos ligados a Bolsonaro dentro das polícias militares dos Estados para atingir os mesmos objetivos, ou seja, manter uma massa humana esfoliada, desvalida, faminta e miserável que os referende como casa-grande. Desse lugar eles acenam para os que nada têm com migalhas de subemprego (em tempos de altíssimo desemprego), de pequenos favores (restos de comida e roupas, consultas médicas, indicação para bolsas disso ou daquilo ou serviços temporários). Contudo, temos criado uma série de figuras de linguagem para ver se (co)movemos essa gente. Reproduzo todas as que considero inteligentes e divertidas. Vou na onda.
Postar um comentário

Postagens mais visitadas