Bate-papo no PAF 3 da UFBA (Ondina, Salvador) - 13 de julho de 2017

Bate-papo no PAF 3 da UFBA (Ondina, Salvador) - 13 de julho de 2017

Postagens populares

Visualizações de páginas da semana passada

Google+ Badge

Translate

15 de abr de 2009

Editora Éblis lança livro novo

Congo negro ( The Congo – A Study of the Negro Race ) é o poema mais significativo do poeta norte-americano Vachel Lindsay (1879-1931) e o primeiro título da coleção tradução da Editora Éblis. A intensidade rítmica do poema, que a tradução procurou, na medida do possível, recriar, faz dele uma peça poética para ser lida em voz alta, e quase cantada, ou até mesmo gritada, como queria Lindsay. Assim, sua inventividade está justamente em dar o corpo ao literário, fazendo as palavras do poema-partitura soarem pela boca do leitor, do mesmo modo que no revival pentecostal ou no encantamento vodu. Congo negro é, em certa medida, um poema fora do compasso do paladar contemporâneo. Congo negro trata-se de um poema “negrista”, isto é, um experimento eventual de linguagem no percurso textual do seu autor, como também o foram os “poemas negros”, de Raul Bopp, e “Essa Negra Fulô”, de Jorge de Lima, entre outros tantos. Como poema bom que é, Congo leva em seu bojo essas e outras contradições. Mas, as grandes obras de arte são o que são porque envelhecem naquilo em que podem envelhecer, deixando sempre a possibilidade de recriação, como se concretizou nesta primeira tradução para o português do poema de Lindsay, levada a efeito graças a inteligência e a sensibilidade de Luci Collin, professora de tradução e de literaturas de língua inglesa da UFPR, e também poeta e ficcionista. Nicholas Vachel Lindsay nasceu em Springfield, Illinois (EUA), a 10 de novembro 1879 e suicidou-se em 5 de dezembro de 1931 na mesma cidade. Formou junto com Carl Sandburg e Edgar Lee Master, entre outros, a chamada "Renascença de Chicago", geração de poetas ligados a Poetry: a magazine of verse. De 1906 a 1912 fez várias viagens a pé pelos Estados Unidos recitando seus poemas em troca de hospedagem e alimentação, do que são exemplares suas Rhymes to be Traded for Bread (1912). É autor de, entre outros, General William Booth Enters into Heaven and Other Poems (1913), The Chinese Nightingale and Other Poems (1917), Daniel Jazz and Other Poems (1920), The Litany of Washington Street (1929). Escreveu ainda um importante ensaio sobre cinema, The Art of the Moving Picture (1915). Luci Collin nasceu em Curitiba (PR) em 1964. Poeta, ficcionista e tradutora. Doutora em Letras pela USP, é professora de Literaturas de Língua Inglesa e Tradução Literária na UFPR. É autora de, entre outros,Todo Implícito (poesia, 1998) e Acasos Pensados (contos, 2008). Traduziu Re-habitar: ensaios e poemas, de Gary Snyder (Azougue, 2005), Etnopoesia no Milênio, de Jerome Rothenberg (Azougue, 2006),Contos Irlandeses do Início do Século XX (Travessa dos Editores, 2007).
Postar um comentário