Bate-papo no PAF 3 da UFBA (Ondina, Salvador) - 13 de julho de 2017

Bate-papo no PAF 3 da UFBA (Ondina, Salvador) - 13 de julho de 2017

Postagens populares

Visualizações de páginas da semana passada

Google+ Badge

Translate

3 de abr de 2010

Sobre meu romance infanto-juvenil inédito

(Por: *Eduardo Oliveira). "Adorei o seu texto. De uma leveza infantil e cheio de insigths geniais. Seja na terra, seja no mar, seu texto encanta. Para meus olhos, percebi alguns fundamentos dos quais seu testo emerge. Você inicia com a Ancestralidade dos personagens principais. Ancestralidade que, aliás, nunca desaparece do texto. Nem os vivos. Nem os mortos. Perfeito! Par-a-par com a Ancestralidade, está a natureza, como meio e como mensagem. Ou seja, é o lugar onde tudo acontece e isso tem uma importância enorme na sua narrativa estética; mas é também uma mensagem constante, chamando atenção para diversidades, estados psicológicos, paisagens imaginárias de mundos existentes, pré-existentes e possíveis. Tudo com o tom certo. além do que, você recorre aos saberes dos antepassados, como a cura com folhas, e o ritual para utilizá-las, de maneira que toca o seu leitor. Cumplicidade entre as mulheres é outro elemento que salta aos olhos. Está aí sua marca! A Referência do texto vem sempre do universo feminino, e isso não menospreza o universo masculino. Mas a narrativa, sem dúvida, ressalta as mulheres e seus valores. Amplia, na verdade, valores e ações do universo feminino; a ancestralidade de seu texto é matriarcal. Corporalidade e Musicalidade são outros dois elementos muito presentes e bem construídos ao longo do romance. Gosto particularmente das partes onde aparecem os quadris, a ginga, a dança e a meninice. Ludicidade e Humor também não faltaram. Há trechos verdadeiramente refinados, tanto na linguagem como no conteúdo da narrativa, como o diálogo entre o personagem central e o maestro. A amizade também aparece como um valor "estruturante". Sabedoria, é mais um dos elementos. Aparece na figura do índio, do filho de quilombolas, dos mais velhos da comunidade, das mulheres protagonistas... Amor, como explicação das fantasias e liberdades poéticas da narrativa. Enfim, querida, são apenas alguns apontamentos e contribuições, na esperança que cheguem a tempo. Quem sabe possam ser aproveitados na segunda edição, quando você já terá vendido 50 mil exemplares". *Eduardo é professor na Faculdade de Educação da UFBA e fez generosa leitura crítica do meu romance infanto-juvenil inédito).
Postar um comentário