Bate-papo no PAF 3 da UFBA (Ondina, Salvador) - 13 de julho de 2017

Bate-papo no PAF 3 da UFBA (Ondina, Salvador) - 13 de julho de 2017

Postagens populares

Visualizações de páginas da semana passada

Google+ Badge

Translate

9 de nov de 2012

Os técnicos do Supremo, das seleções de vôlei e de futebol



O julgamento do mensalão continua, embora as eleições que o levaram aos holofotes midiáticos, com a intenção principal de prejudicar o desempenho do PT no pleito, tenham ocorrido. Não deu certo, ao que tudo indica, e o trabalho sério permanece na Corte. Joaquim Barbosa prossegue o trabalho diário, empenhado em fazer desse episódio da história política do Brasil, algo emblemático no combate à corrupção. Luta como um leão ferido, às vezes destemperado pela dor dos ferimentos nas costas (a coluna, como é sabido, e os dardos lançados para abater homens pretos de tamanha envergadura), empenha-se para evitar que tecnicismos hipócritas ou minudências oportunistas atuem na diminuição da pena dos réus. Republico o texto "Os técnicos do Supremo, das seleções de vôlei e de futebol" que, a meu juízo, merece leitura mais detida.
Os técnicos do Supremo, das seleções de vôlei e de futebol
Por Cidinha da Silva

Dosimetria era uma expressão desconhecida para mim até vê-la utilizada na dosimetria das penas do mensalão. E olha que volta e meia sou acusada de falar difícil. Aprendi com o STF que dosimetria é a forma como são calculadas as penas para os crimes, considerando fatores agravantes e atenuantes, entre outras informações.

Ayres Britto, Presidente da casa, num gesto simpático e espirituoso com os l
eigos seguidores do julgamento do século (insisto que a Comissão da Verdade deveria fazer dobradinha nessa adjetivação), dia desses criou o verbo dosimetrar: eu dosimetro, tu dosimetras, ele dosimetra... Visível era seu interesse em facilitar o entendimento de quem, como eu, desconhece as miudezas da linguagem jurídica.

Existem questões, conhecimento e linguagem extremamente técnicos utilizados em julgamentos como esse. E havemos de confiar no saber que esses homens e agora também, mulheres, passaram décadas construindo. É óbvio que, ao afirmar isso, não pontifico que estes juízes e juízas sejam senhores da razão, do bom senso e da justiça, haja vista a decisão do Ministro Gilmar Mendes, desfavorável aos índios Guarani Kaiowá de Mato Grosso do Sul, dentre centenas de outras. O Ministro tem (ou deveria ter) competência técnica para avaliar o tema, está no STF para fazê-lo. Pode ser que ele não tenha ética, sensibilidade política e humana, noção de direitos dos povos tradicionais, mas contra isso, agora que o STF está na vitrine da opinião pública, temos a força popular para pressionar e forçar a revisão da decisão.

Por outro lado, foi também no STF que o Ministro Joaquim Barbosa, silenciosamente, à revelia dos holofotes do mensalão, negou ao goleiro Bruno o pedido de relaxamento de prisão pela morte de Elisa Samúdio, decidindo não conhecer um recurso apresentado pela defesa do ex-goleiro, ou seja, não analisar o mérito do pedido, por não haver nada de novo a ser analisado.

Mas a questão central que me interessa aqui é como muita gente tem agido com o STF no caso mensalão, de maneira similar ao jeito de olhar a Seleção Brasileira de Futebol. Todo mundo tem na cabeça e até no papel, a melhor escalação para vestir a Amarelinha e o técnico mais eficaz para dirigi-la, obedecendo aos desígnios do técnico-povão, por suposto.

Tal atitude popular independe do fato de a CBF ser uma instituição pouco confiável, para dizer o mínimo. É que a gente se acha dona da verdade, entende de futebol como ninguém e o Mano é burro, lógico. Não nos interessa a competência técnica dele, seu histórico como treinador, nada disso, Mano é burro e pronto! Como qualquer técnico da Seleção o será em algum momento.

A solução para o problema é a respostabilidade do Tite em campo, o espírito trabalhador do Muricy, os times bem armados e pragmáticos do Abelão, até o Luxa, estrategista dos anos 90, queremos de volta. Qualquer um salvará a Seleção, menos o Mano.

Com as Seleções Brasileiras de Vôlei, feminina e masculina, nos posicionamos de maneira diferente, em que pese o fato de o jogo das cortadas e manchetes não ser a paixão nacional representada pelo futebol e da CBV também não ser flor que se cheire, sabido trampolim de Nuzman para o COB e dali para a perpetuação em cargos de mando, respeitamos os técnicos escolhidos. Bernardinho realiza concorridas oficinas de aprimoramento profissional para um grupo seleto de técnicos aspirantes a top, nos períodos entre o final de um campeonato e início do outro. Zé Roberto decide cortar uma jogadora importante, deixa de convocar outras e isso não abala a imprensa esportiva, mais racional quando o tema não é o jogo com os pés. Há certo consenso de que ele sabe o que é melhor para o time e é a pessoa certa para aquele lugar.

Na persona de Zé Roberto cabe um parênteses, me agrada muito aquela cara de feliz que ele tem. Aquele jeito de dizer ao mundo: O Bernardo é o máximo e eu não o invejo, eu sou feliz! Parece o Messi, para quem ser um homem correto e um ótimo pai é mais importante e desafiador do que ser o melhor jogador do mundo.

O caso é que tem gente tratando o STF como trata a Seleção (de futebol), quero dizer, desprezam todo o conhecimento específico de comissão técnica e jogadores convocados. O que vale são as próprias soluções, indicações, escolhas de cada um dos milhões de técnicos de futebol espalhados pelo povo brasileiro.

Particularmente, prefiro ver o STF como um primo dileto da Seleção de Vôlei. Confio nesse grupo renovado que não é composto por relações de compadrio e parentesco. Confio em sua competência técnica para julgar. Quero acreditar no compromisso ético de cada integrante do Supremo para consolidar uma instituição séria e isenta. E, se errarem, que exijamos revisão, como faremos com a sentença de Gilmar Mendes, contrária aos direitos dos Guarani Kaiowá.
Postar um comentário