Bate-papo no PAF 3 da UFBA (Ondina, Salvador) - 13 de julho de 2017

Bate-papo no PAF 3 da UFBA (Ondina, Salvador) - 13 de julho de 2017

Postagens populares

Visualizações de páginas da semana passada

Google+ Badge

Translate

3 de out de 2007

Editora Éblis lança "51 Mendicantos"

No próximo dia 25 de outubro, na biblioteca Alceu Amoroso Lima (rua Henrique Schaumann, 777 – São Paulo), a editora Éblis lançará 51 Mendicantos, livro de estréia do poeta santista Paulo de Toledo.Contando com ilustrações de Sandro Saraiva, 51 Mendicantos se constrói em frames que se duplicam, se contrastam, se justapõem, como em postais das grandes cidades do mundo globalizado, seja São Paulo ou Nova Iorque. Mas o fotógrafo não é o poeta, mas sim um seu igual, um seu irmão: o mendigo que curtia rap / e que um dia já fora hippie... Eis o poeta dos 51 Mendicantos que, numa certa monotonia proposital, forma um painel em P&B, uma grande colagem feita com o lixo que soterra (no lixão um mesquinho minidicionário / mostra ao mendigo que a miséria / infelizmente vem antes da misericórdia.) e o luxo que debocha (de calcinha a musa no outdoor / olha pro mendigo que acusa / com a mão toda a sua dor) dos moradores anônimos das calçadas e pontes urbanas. Paulo de Toledo (www.paulodtoledo.blog.uol.com.br) tem trabalhos publicados em vários sites e publicações literárias, como Babel, Cult e Coyote. Participou da edição crítica de Catatau, de Paulo Leminski (Travessa dos Editores, 2004) e foi vencedor do V Projeto Nascente (USP/Editora Abril). A Editora Éblis, capitaneada pelos poetas Ronald Augusto e Ronaldo Machado ( sérios moçoilos da foto acima), que estarão no lançamento apresentando a editora e também lendo seus poemas, tem como proposta editorial uma idéia simples e impertinente: a edição de livros de poesia. O foco da nova editora é pôr em circulação a poesia que não se contenta com a corriqueira satisfação da moeda literária vigente, que cai, ora com a cara cult, ora com a coroa provinciana. Longe de bairrismos e puritanismos, sempre confrontados pelos poetas-editores, Éblis joga sobre a mesa uma nova moeda, revendo assim a economia poética contemporânea. Por isso, a escolha em editar o livro de Paulo de Toledo.
Postar um comentário