Bate-papo no PAF 3 da UFBA (Ondina, Salvador) - 13 de julho de 2017

Bate-papo no PAF 3 da UFBA (Ondina, Salvador) - 13 de julho de 2017

Postagens populares

Visualizações de páginas da semana passada

Google+ Badge

Translate

22 de dez de 2010

Mãe Beata de Yemonjá, uma biografia

Sinopse: "Este livro é um longo depoimento dessa mulher que é fonte de inspiração e referência moral para tanta gente. O processo de criação partiu de uma série de entrevistas realizadas por Haroldo Costa em várias visitas à casa de Mãe Beata. Mãe Beata de Yemonjá escreve contos, poemas e relata histórias sedutoras sobre o mundo místico dos orixás e a vivência dos ancestrais. Antenada com tudo o que se passa em várias partes do globo, ela tem opinião formada, não se importando muitas vezes de ir contra a maré - especialmente quando se trata de direitos básicos da cidadania da mulher e das minorias, raciais ou sexuais. Hoje é uma referência, como guia espiritual e ideológica, não só para a comunidade negra do Brasil, mas também para outros povos. Com sua sabedoria, Mãe Beata ganhou o mundo. É sempre saudada com entusiasmo em palestras, seminários e conferências no Brasil e no exterior. Haroldo Costa relata um fato que aconteceu em Cuba e que lhe despertou grande emoção: "Tive a alegria de constatar isso pessoalmente, em maio de 2008, quando estávamos em Havana para participar do evento Cuba Disco cujo tema era a Diáspora Africana. Nunca havia estado com ela antes, se bem que já conhecia muito sobre a sua personalidade e sua importância no âmbito da comunidade religiosa e intelectual. A precisão e a elegância da sua dissertação, a sabedoria mansa, o movimento do seu corpo nas danças rituais compunham um quadro de extrema beleza que me fez pensar na riqueza que é a nossa herança cultural, um bem comum de todos nós, brasileiros." Aqui podemos conhecer um pouco mais das memórias e realizações de Mãe Beata, que revelam parte de acontecimentos marcantes de sua vida e de sua família, como de tantas outras originadas na África. Vale ressaltar também que a tradição da oralidade é habilmente explorada por Haroldo Costa, dando voz a Mãe Beata para ela mesma contar sua história em primeira pessoa, com graça, sensibilidade e verdade".
Postar um comentário