Bate-papo no PAF 3 da UFBA (Ondina, Salvador) - 13 de julho de 2017

Bate-papo no PAF 3 da UFBA (Ondina, Salvador) - 13 de julho de 2017

Postagens populares

Visualizações de páginas da semana passada

Google+ Badge

Translate

8 de jan de 2012

Galanga coroa o rei Maurício Tizumba

Finalizando minhas férias em BH, assisti "Galanga - Chico Rei!" Um espetáculo belo, cuja inovação é a linguagem banto-mineira das congadas, dos reinos de congo, encenada todo o tempo, ainda que com algumas interferências iorubá deslocadas. A maior parte dos atores não é tão robusta quanto a peça merecia, mas a parte musical é impecável. Tem a assinatura virtuosa de Titane estampada em cada nota. A preparação corporal também é excelente e tudo isso compensa parte das atuações menos fortes no campo da dramaturgia. A direção de João das Neves é segura, como sempre. O texto tem os problemas de sempre, também, embora não se deva dizê-lo, haja vista que Paulo César Pinheiro é um boi sagrado. Que gosto muito, aliás, mas não posso deixar de observar o cansativo culto à mestiçagem e à mulatice impregnados em sua obra. Para citar apenas três deslizes, Chico Rei casa-se com Domingas, uma "mulata sestrosa"; os portugueses buscavam minerais preciosos e "escravos" no Congo e, por fim, os escravizados em África, resultantes de um sistema de cativos completamente diferente do escravismo colonial que visava o lucro e a exploração humana à exaustão, são postos no mesmo balaio, como a fazer justiça com os brancos que, assim, não teriam escravizado os africanos sozinhos. Ah... me faça uma garapa! Ainda, para quem acha que "buscar escravos" em África é algo inofensivo, avisamos que caçava-se gente livre que passava a ser escravizada. Mas, aqui estou para falar das coisas boas. Recomendo o espetáculo, gostei muito, fiquei muitíssimo emocionada. O cenário é simples e lindo, econômico, de bom gosto. A música coroa o trabalho de um rei, Maurício Tizumba, que rege soberanamente a cena. Gosto disso, um artista que aos quase 40 anos de carreira monta um espetáculo que coroa sua vida dedicada à arte. Não espero menos de 40 anos de arte cênica e musical, também de ativismo artístico-cultural. Galanga coloca na cabeça de Tizumba, a merecida coroa de rei banto de BH e balança as estruturas dessa cidade com um espetáculo negro, inscrito na melhor tradição dos artistas negros dessa terra. Merecemos Galanga, Maurício Tizumba e Titane. Ngunzo!
Postar um comentário