Bate-papo no PAF 3 da UFBA (Ondina, Salvador) - 13 de julho de 2017

Bate-papo no PAF 3 da UFBA (Ondina, Salvador) - 13 de julho de 2017

Postagens populares

Visualizações de páginas da semana passada

Google+ Badge

Translate

11 de jun de 2012

Cobertura da EUROCOPA 2012





Por Cidinha da Silva

Uma das coisas irritantes da cobertura desta EUROCOPA 2012 é o tratamento dado pela imprensa brasileira às inúmeras e recalcitrantes manifestações de racismo: de poloneses contra negros; de russos contra negros; de ucranianos contra negros; dos demais europeus do Leste contra negros; do restante dos europeus contra negros.

A imprensa branca brasileira, grosso modo, divide-se em três blocos: aquele que nutre indisfarçável preconceito contra os povos do Leste, que, aos olhos deste grupo seriam atrasados em relação aos europeus dos outros quadrantes e, em decorrência disso, responsáveis por manifestações racistas atávicas. Complementa a justificativa desse enquadramento, a suposta falta de familiaridade dos europeus do Leste com migrantes negros, como a grande Europa teria. Este, além de ser um argumento que justifica o injustificável, denota desconhecimento, pois durante a segunda metade dos anos 70 e durante toda a década de 80, foram inúmeros os africanos oriundos de países albergados no bloco da Ex-União Soviética, durante a guerra fria, que foram estudar nos países do Leste Europeu e muitos deles, por lá deixaram filhos. Ainda outros foram aprender tecnologia de guerra.

O segundo bloco da imprensa tupiniquim recrimina o racismo com enfado, "poxa, essa coisa chata de racismo e esses chatos, impedem a gente de falar do que realmente interessa, o futebol."

O terceiro bloco recrimina o racismo de maneira séria, mas minimiza-o, relega as manifestações a indivíduos ou pequenos grupos de pessoas, esvazia seus aspectos institucionais.

Todos fazem coro contra os parcos jogadores negros que se posicionam e tentam discutir o racismo como algo estrutural nos países em questão. As declarações desses bravos são diminuídas, descontextualizadas, quando não, ridicularizadas. É mais do mesmo, o de sempre. Cheguei a ouvir um repórter brasileiro sugerindo que as pessoas intimidem os racistas dizendo que vão filmá-los, caso sejam ofendidas (ele considera o racismo uma simples ofensa) e vão postar na Internet. É ingenuidade ou cabotinismo. Grupos de racistas intimidam, humilham, espancam, matam. A coisa é séria e esses irresponsáveis ficam brincando de fazer jornalismo.
Postar um comentário