Bate-papo no PAF 3 da UFBA (Ondina, Salvador) - 13 de julho de 2017

Bate-papo no PAF 3 da UFBA (Ondina, Salvador) - 13 de julho de 2017

Postagens populares

Visualizações de páginas da semana passada

Google+ Badge

Translate

1 de jun de 2012

Lesmas comandadas por raposas (e o fechamento do Sarau do Binho)

Por Allan da Rosa

"Pedem um comprovante, Binho leva e volta com uma exigência de novo atestado. O tal atestado vai e aí pedem uma conta carimbada. Vai o borderô e Binho ganha a missão de levar um outro certificado. Levado esse protocolo é a vez de esperar algumas semanas antes de reclamarem outro papel. Há anos vai em arrasto de lesma a situação comandada pelas raposas pra soltarem o divino alvará.

Isso pra funcionar o bar, onde acontece o Sarau do Binho. Só que o bar do Binho é dele e de sua família, seu sustento. Mas o sarau não é mais, há tempos. É praia e viela da comunidade, é centro cultural e fortaleza, fórum e cozinha.

Doce contradição: este sarau, o mais antigo e dos mais cooperativos de São Paulo, mesmo levando o nome de seu idealizador tem a agenda guiada pela demanda da comunidade. Quase toda semana chega alguém, algum coletivo, com um livro pra lançar, uma urgência pra debater, uma animação pra projetar. O “Sarau do Binho” tem a pauta levada pela beirada da zona sul e não é uma marca que visa crescer o ibope do Robinson. É um encontro com o encanto, com estética, com a política.

Ali, toda segunda-feira, onde já passaram milhares ou milhões de pessoas e nunca houve uma agressão física, acontecem cirandas, mesas redondas, projeções de filmes, exposições de quadros e esculturas, apresentação de teatro, rodas de capoeira. E além disso tudo, declamação.

Ali esquentamos e aprofundamos temas como o genocídio indígena, o machismo assassino, os movimentos afro-brasileiros, a especulação imobiliária, as diferenças entre educação oficial e comunitária, a tal democracia representativa. Trocamos idéia e vivenciamos cultura nordestina, argentina, japonesa, angolana, etc. Proseamos sobre nostalgia, espiritualidade, paternidade, desespero... Ali também já vogou um naipe de debates sobre questões estéticas como figurino cênico, direção teatral e dramaturgia, realismo e fantasia em literatura, luz e roteiro em cinema, enquadro e diafragma em fotografia, timbre e melodia em música, composição e volume em artes plásticas, entre tantos. Entrelaçados e fundamentados por Poesia.

Ali construímos amizades sólidas e flexíveis, aprendendo a apreciar, a perguntar e a discordar. Ali chegou gente de toda América do Sul, do Norte, de África, da Europa, da Ásia. Veio até gente de outros bairros de SP que parecem ser outro país.

Na atual gestão da prefeitura de São Paulo absolutamente nada é decidido junto com o povo. Na virada do ano o orçamento daqui da região da M´Boi mirim teve corte de 46%, já o de Pinheiros cresceu 12%. Assim bailamos entre a correia da burocracia que paralisa e o chicote medroso dos politiqueiros. Pra eles somos apenas a lista de despejados, a mira pra PM que de novo chega em seu ápice homicida, a massa pra consumir show, a população na sola dos coturnos das sub-prefeituras, todas hoje comandadas por coronéis e marechais.

O lacre na porta do bar, a mordaça no sarau, tem a ver com o perigo de nossa formação política, de nossa sensibilidade sendo educada, autônoma?

Nossa garganta seca na sede de Poesia. Nossos ouvidos queimam por tanta hipocrisia. Poesia de amor, de dúvida, de luta, de geografia, de matemática, de solidão, de movimento.

Clamamos pela nitidez, pela definição nos processos de recolha dos documentos exigidos para o alvará de funcionamento do bar do Binho!

Pelo retorno imediato do Sarau do Binho!"
Postar um comentário