Bate-papo no PAF 3 da UFBA (Ondina, Salvador) - 13 de julho de 2017

Bate-papo no PAF 3 da UFBA (Ondina, Salvador) - 13 de julho de 2017

Postagens populares

Visualizações de páginas da semana passada

Google+ Badge

Translate

21 de fev de 2013

Isabel e Zé Maria



Por Cidinha da Silva

Há vários capítulos Isabel (Camila Pitanga) mostra-se comovida e preocupada com os sentimentos de humilhação vividos por Zé Maria (Lázaro Ramos) face à obrigação de conviver com Albertinho (Rafael Cardoso), bem como com a lembrança de que Elias (Afonso Nascimento Neto) é filho deste e não daquele. Elias é o fruto do ato sexual inaugural da mulher amada por Zé Maria com outro homem, antes dele, por suposto.

A dor de Zé é dor de macho, mas é também dor de homem culpado pelo abandono da noiva no altar para juntar-se a outros homens negros que defendiam o próprio povo do despejo arbitrado pela polícia, cujo delegado o leva desacordado para a delegacia. Já no momento do inquérito, Zé inventa um nome para proteger-se do enquadramento na lei de vadiagem, que limitaria sua vida para sempre, e acaba por impedir, ele mesmo, que a amada o encontrasse.

O amor tem dessas coisas, prega esse tipo de peça. Quando quebra, quando não dá certo, é aquela busca insana para saber onde quebrou, por que quebrou? Como e quando aconteceu? O martelo do desespero golpeia o cerebelo, implacável, mas, massa de bolo desandada não tem conserto. Tem sido assim para todos nós, reles mortais apaixonados, desde que o mundo romântico é mundo, imagine a confusão mental de Zé Maria, um herói, um semi-deus!?

Mas, herói que se preza tem pelo menos uma heroína à altura, podendo até ter duas, porque heróis estão em baixa nas prateleiras dos supermercados e é preciso dividir o pão. A heroína de Zé é Isabel que, em seu papel magnânimo compreende todas as nuances do infortúnio do amado, ausculta-lhe o que vai nas franjas do peito combalido e decide terminar o noivado. Não é justo que Zé Maria seja acuado pela presença desagradável de Albertinho em torno de Elias, eco de um envolvimento do passado. Então, como senhora da justiça, dona da verdade, Isabel decide o que é melhor para todos e encerra o relacionamento com Zé. Não sem antes magoá-lo, ao dizer que ele atrapalha a vida dela.

A fórmula funciona no folhetim e na vida real. Ter o ego ferido é algo que nos enlouquece, dilacera o orgulho, mortifica a vaidade. Quando você ama uma pessoa profundamente, alguém que não te amou tanto assim, você sabe, você sabia, mas digamos que o amor dela te bastasse, afinal você amava demais, amava pelas duas, você quer que o amor se realize a qualquer custo. Você ainda ama e se ilude ao achar que seu amor é grandioso e superior,  a ponto de contaminar a amada. Contaminará nada! Ela quer se ver livre de você, do seu amor que a sufoca e o que ela faz? Diz que tudo não passou de um grande equívoco, você foi um ombro amigo. Letal, ombro amigo é letal para qualquer ego vivo!

Em outras palavras, Isabel chama o Zé de ombro amigo (aquele que a ajudou no momento mais crítico com Elias), mente para ele ferindo-o de morte. Ao cabo, ela acha que se não o machucar, não o libertará para a felicidade. Ela é uma semi-deusa, dona do amor do amado, da dor e da liberdade do herói para ser feliz. Precisa ferir o grande ego dele, com as armas do seu próprio ego, ainda maior.

E nós, do outro lado da tela, românticas inveteradas, estacamos nosso coraçãozinho tolo no medo de que nosso casal 21 não fique junto no final. Queríamos, no fundo inconfessável, ter os super poderes de Isabel e dominar o destino da pessoa amada. Queríamos definir  o destino de quem amamos do alto de nossa arrogância e autoritarismo, travestidos de bondade e preocupação.  Politizadas que somos, enganamos nosso medo atávico da solidão, da solidão da mulher negra, neste caso, com a afirmação do compromisso de que o casal negro vingue.

Zé e Isabel formam par romântico e precisam comer o pão que o diabo amassou em nome do amor para que soframos junto com eles, torçamos por eles. A fórmula só funciona quando estendemos  toda a nossa solidariedade àquela que nos representa. Para nos ajudar em nosso papel de previsíveis telespectadoras, o terceiro elemento trata logo de entrar em cena, o ciúme que Isabel sentirá (e nós também) de outra mulher, supostamente interessada em desfrutar o sexo e o afeto de Zé.

A pimenta malagueta vem emplumada como médica branca, bonita, profissional independente (como Isabel) que em caso de conquista do homem negro, tonificará todos os nossos fantasmas de rejeição e abandono, ao mesmo tempo em que regozijará aquelas que torcem o nariz para o modelo altivo de mulher negra representado por Isabel. Os autores nos deixam em pânico com esse impasse e não perderemos um capítulo sequer, até que o desfecho desejado se efetive.

Se Fátima (Juliana Knust) e Zé Maria tiverem algum tipo de affer, sem compromisso sério, o mais provável é que a lama das convenções sócio-raciais macule as penas da leveza e da brancura (o público precisa se identificar com a dor das mocinhas e receber a lição de que o amor deve estar acima de tudo, inclusive das convenções) e Isabel, arrependida, enciumada, ferida, pedirá desculpas ao amado. Ele a acolherá, apaixonado e seguro de que Isabel é a mulher de sua vida. O casal negro será feliz para sempre. Nossa estima coletiva será tonificada e o amor entre negros provará ser possível, a despeito da tentação branca.

Pode ser também que médica e objeto de estudos não tenham nada para além da aproximação Medicina e Capoeira, mas o envolvimento de Zé e Fátima (tenha a natureza que tiver) servirá para despertar o ciúme de Isabel, algo fundamental para a trama. Isabel precisa demonstrar  suscetibilidade  às fraquezas humanas, como todas as outras mulheres.  

Tudo indica que é só um pouquinho de pimenta no caldo, mais uma separação do casal 21, prévia ao grande final da família feliz. Zé provará ser um homem que cresceu emocionalmente a ponto de aceitar  o amor filial devotado por Elias e mais do que isso, o amor de pai que ele nutre pelo garoto.

Mas, se não for assim, que o melhor aconteça para cada um individualmente, como costuma ser na vida real, embora não aceitemos este tipo de final feliz. 
Postar um comentário