Bate-papo no PAF 3 da UFBA (Ondina, Salvador) - 13 de julho de 2017

Bate-papo no PAF 3 da UFBA (Ondina, Salvador) - 13 de julho de 2017

Postagens populares

Visualizações de páginas da semana passada

Google+ Badge

Translate

23 de out de 2013

O gol de Maurício Mauro

Por Cidinha da Silva



Era pleno de leveza o riso da mulher quando mais uma jornalista invadia sua casa para perguntar sobre o gol-sensação do filho. Um menino de 19 anos, negro, filho da mãe, mais um dos que encontram nas quatro linhas o infinito negado pela vida.

O tiro alcançou a velocidade de 119 km. De fora da área o artilheiro iniciante acertou o ângulo do goleiro. Bateu com o lado de fora do pé e a bola foi dormir no ninho da coruja. Teve comentarista louvando a sorte do goleiro que pulou na direção certa, mas não alcançou o petardo. Podia ter queimado a ponta dos dedos ou mesmo quebrado um, se pegasse de mau jeito.

A jornalista insistia: “foi o primeiro gol do seu filho no profissional, uma marca que vai ficar para sempre, um gol fantástico! A senhora não está emocionada?” “Estou, querida, estou!”  A mãe respondia e sorria, sorria, sorria.

Insatisfeita, a entrevistadora tentava extrair comentários sobre a provável trajetória de labuta e dificuldades das famílias negras daquele porte, uma mulher simples e seu filho. Um conteúdo de superação vestiria bem a matéria. Esporte é superação, ela aprendera na cadeira de jornalismo esportivo, principalmente quando praticado  por pessoas humildes.

O problema é que a mãe do jogador era dura na queda. Ela tinha tanto viço guardado, rizoma espetacular de alegria que não haveria lágrima forçada por jornalista capaz de macular aquele sorriso.
Postar um comentário