Bate-papo no PAF I da UFBA (Ondina, Salvador) - 13 de julho de 2017

Bate-papo no PAF I da UFBA (Ondina, Salvador) - 13 de julho de 2017

Postagens populares

Visualizações de páginas da semana passada

Google+ Badge

Translate

6 de out de 2013

Referência em arte sacra, Mestre Didi morre aos 95 anos


Da Redação (A tarde), com informações de Giuliana Mancini
  • Mário Cravo Neto | Divulgação
    Mestre Didi deixa legado nas artes sacras
O escritor e artista plástico Deoscóredes Maximiliano dos Santos, conhecido como "Mestre Didi", aos 95 anos, morreu neste domingo, 6, em decorrência de um câncer. O corpo dele será enterrado neste domingo, às 17 horas, no cemitério Jardim da Saudade. Ele era casado com a antropóloga argentina Juana Elbein dos Santos.
Mestre Didi, filho da ialorixá Maria Bibiana do Espírito Santo, a "Mãe Senhora", era considerado um dos mais importantes sarcerdotes de religiões afro-brasileiras do país. Seu trabalho, inspirado nos objetos de culto ligados à tradição nagô, tem repercussão mundial. Arte, que ele aprendeu ainda criança com os mais velhos, que te ensinaram a manipular materiais para cultuar o orixá Obaluayê. 
Obras do escritor e artista plástico Mestre Didi7Obras do escritor e artista plástico Mestre DidiObras do escritor e artista plástico Mestre Didi
DOM, 06/10/2013 às 14:41
Obras do escritor e artista plástico Mestre Didi
"Perdemos uma das maiores autoridades brasileiras, referência e mestre em Artes Sacras. Ele nos fazia uma ponte artística entre o Brasil e a África, contribuindo em vários campos. Agora, ficam seus legados e ensinamentos, que, com disciplina, nos fortaleceu e nos une para vencer os preconceitos", disse Arany Santana, diretora do Centro de Culturas Populares e Identitárias (CCPI) da Secretaria Estadual de Cultura.

"Ele era uma figura ímpar. Combinava dois campos: era sacerdote e líder religioso e trabalhava com as artes, mais especificadamente as Sacras. O Mestre era reconhecido internacionalmente, e era uma pessoa característica e marcante. A cultura baiana e brasileira como um todo fica triste", lamentou o secretário de Cultura do Estado, Albino Rubim.
Postar um comentário