Bate-papo no PAF 3 da UFBA (Ondina, Salvador) - 13 de julho de 2017

Bate-papo no PAF 3 da UFBA (Ondina, Salvador) - 13 de julho de 2017

Postagens populares

Visualizações de páginas da semana passada

Google+ Badge

Translate

28 de ago de 2008

Monografia de conclusão de graduação sobre o Tridente, 1a edição, será apresentada na UNEB – Alagoinhas, BA

Terminei a leitura da monografia de conclusão do curso de Letras, na Universidade do Estado da Bahia, campus Alagoinhas, escrita por Ana Cléa Campos, na qual o Tridente é objeto de reflexão. É um trabalho corajoso, pois a autora se propôs a estabelecer diálogo entre autores e obras muito diferentes, localizados em tempos distintos: Aloísio Azevedo, autor de “O mulato”, de 1881, e eu, autora de “Cada tridente em seu lugar e outras crônicas”, de 2006. A base da comparação é a crítica social percebida por Cléa nas duas obras. Não entrarei no mérito do texto, até porque, o trabalho ainda está em construção e será avaliado pela Universidade. Cabe-me falar sobre o sentimento de alegria abrigado em mim, a partir da iniciativa. No primeiro e único contato pessoal mantido com Ana Cléa, perguntei como chegara ao Tridente. Respondeu-me que fora por indicação de um professor que ouvira a leitura feita por mim, de “A coleção de dicionários de capadura na estante”, em Salvador-2006, durante o “II Encontro de Intelectuais Negros, Africanos e da Diáspora”. Segundo ela, o texto foi detalhadamente apresentado e discutido em sala de aula e, tal foi a identidade de um grupo de estudantes e do próprio professor com a crônica que, quando teve o livro nas mãos pela primeira vez, foi difícil acostumar-se com o título, pois, já o tratava - ao livro - como “A coleção de dicionários de capadura na estante”. O trabalho literário tem me ensinado a relativizar o tempo, assim, estou menos iludida por meu poder de aprisioná-lo em definições. Cautelosa, então, arrisco-me a dizer que tenho a sensação de que o Tridente seguirá como marca importante em minha produção. Existem lá umas perolazinhas que a mim são muito caras, porque rolaram macias na estrada e soltaram faíscas indicando o caminho. Deixo meu agradecimento à Ana Cléa e minha torcida para que seu caminho acadêmico seja virtuoso. (Arte: Iléa Ferraz).
Postar um comentário