Bate-papo no PAF I da UFBA (Ondina, Salvador) - 13 de julho de 2017

Bate-papo no PAF I da UFBA (Ondina, Salvador) - 13 de julho de 2017

Postagens populares

Visualizações de páginas da semana passada

Google+ Badge

Translate

26 de jun de 2013

100 anos de Aimé Césaire, o pai da Negritude


Fonte: Jeune Afrique

Há apenas um século, 26 de junho de 1913, nascia o escritor da Martinica Aimé Césaire. Um poeta que realizou um trabalho profundamente humanista da negritude no panteão dos grandes homens. Uma dos principais negro intelectual do século XX .

Em agosto de 1968, um funk furioso, ondas radicais e estaria por seis semanas nas paradas americanas. James Brown cantava com orgulho ser negro (Say It Loud - Eu sou negro e eu me orgulho).

Um ato militante neste ano também aconteceu alguns meses antes, em 4 de abril, Martin Luther King, foi covardemente assassinado. Dizer em alto e bom som a sua negritude quando o viés do fanatismo e ódio são a causa da morte não é uma palavra vazia. Muito menos uma luta fútil.

"Negritude" para Aimé Césaire foi projetada para contar uma realidade, uma experiência, a de ser negro em um mundo que inventou essa cor através do prisma do racismo, da deportação, da escravidão e colonização. Ele se via com os seus companheiros de infortúnio, Leopold Sedar Senghor e Léon-Gontran Damasco, na luta pela dignidade literária e política do homem negro e na recusa à opressão enquanto os impérios esmagam a humanidade inteira . Uma só palavra então fazia sentido: a liberdade!

Incansavelmente ao lado de seus irmãos africanos, Césaire esteve sempre preocupado com o destino do continente de seus ancestrais. Sonhando com a avó Diola, o poeta desenvolveu uma amizade duradoura com Senghor , com quem compartilhou uma paixão comum pelas belas-letras e pelo exercício do poder.

Deputado francês, ele ficou do lado de Houphouet-Boigny para abolir o trabalho forçado nas colônias, e admirou a coragem de Sekou Toure diante de De Gaulle em 1958. quando disse:

" Temos dito sem rodeios, Senhor Presidente, que as demandas do povo são ... Nós temos uma necessidade primordial e essencial:. nossa dignidade, mas não há dignidade sem liberdade ... Nós preferimos a liberdade na pobreza a opulência em escravidão . "

Mais importante, ele espera uma África independente, e nada mais vergonhoso ver um continente dividido que não conseguiu aproveitar seus pontos fortes para construir.

Postar um comentário