Bate-papo no PAF 3 da UFBA (Ondina, Salvador) - 13 de julho de 2017

Bate-papo no PAF 3 da UFBA (Ondina, Salvador) - 13 de julho de 2017

Postagens populares

Visualizações de páginas da semana passada

Google+ Badge

Translate

1 de out de 2012

Os mortos


Por Cidinha da Silva

A morte de artistas singulares, às vezes merece apenas um artigo, no máximo algum espaço no editorial de um grande jornal. Quem sabe dois ou três minutos no Jornal Nacional? Diferente de uma celebridade, pois nesses casos, a mídia nos obriga a presenciar a última aparição de corpo presente do morto no show business, em cobertura extenuante durante as 24 horas seguintes ao falecimento.

É tanta informação que tornamo-nos especialistas em temas da vida do falecido, pelos quais nunca nos interessamos. Jornalistas mal disfarçam a emoção pela proximidade de celebridades vivas, das quais são fãs. Celebridades menores, à guisa de comentar a morte na telinha, aproveitam para promover um jabá do trabalho mais recente, que a finada celebridade adoraria.

 Por vezes, também nós nos flagramos emocionados, afinal, a celebridade quando é antiga, está presente em nossa vida há muitos anos, décadas, quiçá, e sua vitalidade mistura-se à memória das dores e alegrias vividas em nossa rotina. E quando a celebridade-companheira, testemunha de nossas tristezas e infortúnios,  é subtraída do mundo dos vivos, morre o  glamour, aquilo que emprestava algum brilho e efusão à nossa existência tão mínima.

Ao fim de tudo, celebridade não é pessoa, é espetáculo ambulante, e quando bom e eficaz, não morre, eterniza-se em business.


Postar um comentário