Bate-papo no PAF 3 da UFBA (Ondina, Salvador) - 13 de julho de 2017

Bate-papo no PAF 3 da UFBA (Ondina, Salvador) - 13 de julho de 2017

Postagens populares

Visualizações de páginas da semana passada

Google+ Badge

Translate

30 de jan de 2013

Dilma, Santa Maria e nós, quilombolas!




Por Cidinha da Silva

Foi digna de uma estadista a atitude da Presidenta Dilma ao interromper a reunião internacional da qual era protagonista, aliás, depois de Lula, tem sido assim para o Brasil, e voltar direto para Santa Maria, no Rio Grande do Sul, terra que a acolheu durante a ditadura militar mais recente, para prestar solidariedade e apoio institucional às famílias das dezenas de vítimas do incêndio na boate Kiss.

Aquelas pessoas jovens, cujas vidas tiveram interrupção trágica, foram vítimas de fatalidade, descaso, irresponsabilidade, descuido, ainda não se sabe, mas as investigações demonstrarão as razões do desastre e os culpados serão responsabilizados, não tenho dúvidas. Foi muita gente que conta a morrer de uma só vez.

Deveria ser punido também esse pessoal que inventa um deus sórdido e vingativo que submete centenas de jovens ao desespero e à morte dolorosa, simplesmente porque se divertiam em uma boate, dançando, paquerando, conversando, bebendo. Esse tipo de gente influencia negativamente a humanidade, a vida diária e o plano astral. Deveriam viver isolados do mundo, em algum lugar impossível para sua radioatividade contaminar nossos lençóis freáticos.

Há uma diferença nítida entre um grupo que é vítima e outro que é alvo de violência. Todas as autoridades constituídas conhecem essa nuance. Esses jovens de Santa Maria, homens e mulheres foram vítimas, sucumbiram ao fogo e à fumaça química, sem possibilidade de defesa. Foram acuados pelo pânico de se proteger em banheiros, onde havia água e portas confundidas com saídas de emergência. Foram impedidos de se salvar pelo despreparo de seguranças, aptos apenas a apartar brigas, bater em suspeitos, expulsar indesejáveis e receber um comprovante de quitação de consumo, ou seja, habilitados para garantir a ordem de funcionamento (não de esvaziamento) do local e a lucratividade dos donos.

Os homens e mulheres de Rio dos Macacos e de centenas de outros quilombos, das favelas incendiadas em São Paulo e noutras cidades do país, das periferias do Brasil onde se matam jovens negros como se esmagam baratas, são todos alvo! Alvo do racismo institucional e também do difuso, da irresponsabilidade governamental com o destino dos que não têm valor social, da especulação imobiliária, da incúria radioativa dos que inventam um deus irascível que só aceita uma expressão de humanidade.

Essa gente miúda, alvo da cartilha do desleixo, não tem valor quando viva e os seus que conseguem driblar a morte, ganham alguma sobrevida no areal do abandono, mas não mobilizam compaixão pública ou solidariedade. Que Oxalá seja por nós!
Postar um comentário