Bate-papo no PAF 3 da UFBA (Ondina, Salvador) - 13 de julho de 2017

Bate-papo no PAF 3 da UFBA (Ondina, Salvador) - 13 de julho de 2017

Postagens populares

Visualizações de páginas da semana passada

Google+ Badge

Translate

2 de dez de 2008

Bando de Teatro Olodum faz turnê no Rio de Janeiro

(Texto de divulgação). "Principal companhia de teatro da Bahia apresentará quatro espetáculos do seu repertório. Entre as peças está Ó Pai, ó, sucesso nos palcos, no cinema e na Rede Globo. Embalado pelo estrondoso sucesso da série Ó Paí, ó, que tem obtido altos índices de audiência na programação da Rede Globo (média de 23 pontos na estréia), o Bando de Teatro Olodum viaja em turnê para a cidade do Rio de Janeiro, onde apresentará os mais importantes espetáculos do repertório de 18 anos da companhia. Entre as peças, o Bando apresentará desde a mais recente Áfricas, de 2007, primeiro espetáculo infanto-juvenil do grupo, a Ó Paí ó, que estreou em 1993 e já rendeu um filme e a série em seis episódios, que tem revelado para o Brasil, o divertido cotidiano de personagens do Centro Histórico de Salvador, interpretados com muito humor, deboche e crítica pelos atores do Bando de Teatro Olodum. Fazem parte também da turnê carioca a revista musical Cabaré da Rrrrraça, de 1998, e a versão afro-brasileira do clássico de William Shakespeare, Sonho de Uma Noite de Verão, que levou o Bando à Alemanha e garantiu o Prêmio Braskem de Melhor Espetáculo de 2006. A turnê do Bando de Teatro Olodum garantirá a presença de artistas baianos na movimentada vida cultural do Rio de Janeiro. Além dos 16 atores e atrizes da companhia, a turnê contará com mais seis atores convidados que integram o elenco de Sonho de Uma Noite de Verão, quatro ex-integrantes do grupo que participam da montagem Ó Paí, ó e o ator Lyu Árison, que vem arrancando risos na pele do divertido travesti Yolanda. Luciana Souza (Dona Joana), Tânia Tôko (Neusão), Edvana Carvalho (Lúcia) e Cristóvão da Silva (Negócio Torto), que participaram dos anos iniciais do Bando de Teatro Olodum, foram convidados a reviverem os personagens que fazem sucesso na peça, no filme e na série homônimos. São 27 artistas no palco, além de técnicos de som e iluminação e músicos, tudo sob a batuta da diretora Chica Carelli, auxiliada pelo diretor musical, Jarbas Bittencourt, e o coreógrafo Zebrinha. As peças serão apresentadas de 05 a 21 de dezembro, no Teatro Heitor Vila Lobos, em Copacabana. A expectativa é muito grande entre a diretora Chica Carelli e o elenco, já que na última turnê na cidade, o sucesso de crítica e público foi grande. Foi durante do Bando de Teatro Olodum a passagem pelo Rio de Janeiro, há dez anos, que artistas como Caetano Veloso e Regina Casé assistiram pela primeira vez o Grupo e expressaram muitos elogios à linguagem adotada nas peças, entre elas Ó Paí ó, que logo despertou o interesse de Caetano em transformá-lo em filme. “O Bando viaja bastante, sempre estamos sendo convidados a participar de festivais internacionais. O espetáculo Cabaré da Rrrraça, por exemplo, já foi apresentado em diversas cidades brasileiras, em Portugal e em Angola. O destaque desta turnê no Rio de Janeiro é que ficaremos três semanas na cidade apresentando tudo de melhor que temos feito”, explica a diretora Chica Carreli, responsável pela montagem de Áfricas e co-diretora de Cabaré da Rrrraça, Ó Paí ó e Sonho de Uma Noite de Verão, assinadas por Márcio Meirelles. ESPETÁCULOS: Ó Pai, ó: A peça Ó Paí, ó, que em baianês quer dizer “olhe pra isso, olhe”, apresenta um dia na vida dos moradores de um cortiço no Centro Histórico de Salvador, com muito humor, deboche e crítica social, características das montagens do Bando de Teatro Olodum. Em um Cortiço, administrado com mão de ferro por uma evangélica (Dona Joana), moram os mais diferentes tipos que movimentavam o Pelourinho. São músicos, artistas plásticos, prostitutas, videntes esotéricas, travestis, proprietários de pequenos bares, baianas de acarajé, guias de turismo, entre outros, que dividem as dificuldades e as mais divertidas aventuras. O texto, criado pelo diretor Márcio Meirelles a partir de improvisações do elenco do Bando, é fruto da observação atenta do modo de viver da comunidade local. Sucesso nos palcos, desde sua estréia em 1993, o texto ganhou versão para o cinema, através do filme homônimo da cineasta Monique Gardemberg e agora ganha destaca nacional através da Rede Globo que produziu uma série de seis capítulos com histórias construídas pelo próprio elenco do Bando e dirigidas por uma equipe de elogiados diretores da emissora, sob a supervisão de Guel Arraes. Cabaré da Rrrrraça. Grande sucesso da trajetória do Bando, a peça completou 10 anos e, desde a estréia, vem despertando interesse e discussões, por onde é apresentada. Diversas cidades brasileiras, além de Portugal e Angola, já receberam a visita do Cabaré. O espetáculo é uma revista musical que aborda o preconceito racial com muito humor, dança e música. A peça levanta discussões bem humoradas sobre negritude, racismo e a participação do negro no mercado de consumo, através de personagens que já caíram no gosto popular como o “Patrocinado”, o “Nêgo Fudido”, a cantora “Flávia Carina” e o “Super Negão”. A cada turnê, artistas baianos são convidados a participarem da montagem. São estilistas que desenham figurinos especiais para os personagens, e cantores e bandas que sobem ao palco para integrarem os números musicais do espetáculo. Áfricas. O primeiro espetáculo infantil do Bando de Teatro Olodum, Áfricas, é dirigido por Chica Carelli, com a colaboração de Fábio do Espírito Santo, do diretor musical Jarbas Bittencourt e do coreógrafo Zebrinha. A peça traz à cena o continente africano, através da sua história, seu povo, seus mitos e religiosidade, abordando o universo mítico africano em uma tentativa de suprir a escassez de referenciais africanos no imaginário infantil, povoado de fábulas e personagens eurocêntricos. Áfricas traz histórias e personagens que revelam o modo de ser do povo africano, as formas de se relacionar com a natureza e com o sagrado e os traços que unem o Brasil, em especial a Bahia, ao continente negro. O elenco do Bando canta, toca e dança, em um espetáculo repleto de músicas, cores e danças para abordar o universo mágico e lúdico das lendas e contos africanos que ultrapassaram séculos e continentes através das narrativas dos griôs. Áfricas já foi apresentada para escolas, associações comunitárias, terreiros de Candomblé, grupos de professoras e educadores entre outros públicos específicos em sessões especiais. O espetáculo garantiu o Prêmio Braskem de Melhor Ator Coadjuvante 2007, para Érico Brás. Sonho de Uma Noite de Verão. Vencedor do Prêmio Braskem de Melhor Espetáculo Adulto 2006, Sonho de Uma Noite de Verão é a versão afro-brasileira do Bando de Teatro Olodum para a comédia clássica do dramaturgo inglês William Shakespeare, maior nome do teatro mundial. Com uma estética popular, própria do Bando, a montagem dirigida por Marcio Meirelles, a partir da tradução de Bárbara Heliodora, reúne elementos da cultura afro-baiana, com muita dança e os diversos gêneros musicais da cultura popular. A direção musical é de Jarbas Bittencourt, as coreografias são de Zebrinha e o exuberante figurino é de Márcio Meirelles e Zuarte Júnior. A convite do Ministério da Cultura do Brasil, a peça foi apresentada na Alemanha, durante a Copa do Mundo de 2006, tendo recebidos elogios da crítica local".
Postar um comentário