Bate-papo no PAF 3 da UFBA (Ondina, Salvador) - 13 de julho de 2017

Bate-papo no PAF 3 da UFBA (Ondina, Salvador) - 13 de julho de 2017

Postagens populares

Visualizações de páginas da semana passada

Google+ Badge

Translate

11 de dez de 2008

Novos ventos e mentalidades nas cabeças de atletas e técnicos

(Por: Fernando Narazaki, da Folha UOL). "Ela tinha a missão de fechar a atuação brasileira e por apenas 009s não levou o Brasil a um histórico pódio olímpico no revezamento 4 x 100m rasos nos Jogos de Pequim. Apesar do bom resultado, a velocista Rosângela dos Santos optou por deixar o atletismo em segundo plano na próxima temporada, mesmo sendo um ano de Campeonato Mundial. Em Pequim, a velocista ajudou o país a ser quarto lugar no 4x100m Ela aproveitou ainda para encontrar ídolos como o jogador de basquete Kobe Bryant Mas agora ela só quer saber de terminar os estudos, antes de pensar no ciclo olímpico. A atleta priorizará os seus estudos em 2009, seguindo uma recomendação de seu treinador e espera iniciar o curso superior no próximo ano. "Quero adiantar os meus estudos, e por isso vou deixar de lado o atletismo. Se eu conseguir o índice, vou para o Mundial. Mas se eu não conseguir, também estará tudo bem", explica em entrevista ao UOL Esporte. Com 17 anos, a velocista acredita não ser o momento para se dedicar exclusivamente ao atletismo, ainda mais pela distância das próximas Olimpíadas. "Estamos só no primeiro ano do ciclo olímpico, por isso acho que não afetará muito. Sou muito jovem e tenho de terminar os meus estudos primeiro", afirma. A grande competição de 2009 será o Mundial, que será realizado entre 15 e 23 de agosto, em Berlim. Rosângela nunca disputou uma competição deste porte na categoria adulto, mas foi quarta colocada neste ano nos 100m rasos do Mundial para menores, que foi disputado na Polônia. "Foi uma grande competição e me ajudou muito para ir bem nas Olimpíadas. O grande momento mesmo foi em Pequim, quando a gente esteve bem próximo da medalha. Foi por muito pouco", lembra a velocista, que nasceu em Washington (EUA), mas veio ainda criança para o Brasil, sendo criada na comunidade de Padre Miguel, no Rio de Janeiro. E foi nas Olimpíadas que a atleta também sofreu o maior susto da carreira. Após fechar o revezamento, ela colocou a mão na coxa, sentiu uma forte dor e deixou chorando o Ninho de Pássaro, sendo retirada da pista com uma cadeira de rodas. A sua tristeza contrastava com a euforia de Maurren Higa Maggi, ouro no salto em distância, poucas horas antes. Porém, tudo não passou de um susto. Rosângela teve diagnosticada apenas uma contratura no músculo posterior da coxa esquerda e já retornou aos treinos. "Na hora, fiquei muito assustada, mas ainda bem que não foi nada grave. Agora espero terminar os estudos e volto com tudo no atletismo em 2010", explica. A decisão também foi tomada, pois a velocista confia em um sucesso ainda maior do revezamento feminino nos Jogos de Londres-2012. "Acredito que o nosso grupo será melhor ainda em 2012. Temos uma equipe muito boa e o (Katsuhico) Nakaya (técnico da equipe de revezamento) sabe muito bem o que fazer para não desmotivar os corredores. Podemos sim chegar ao pódio", prevê. Além de Rosângela Santos, outra esperança do país nas provas de velocidade é Bárbara Leôncio, de 17 anos, que foi sexta nos 100 m rasos no Mundial para menores. Porém até Londres, Rosângela deve se dedicar aos estudos e ter um bom motivo para festejar o final deste ano. "Eu também vou poder tirar minha carta de motorista. Será muito bom", sorri a atleta, que fará 18 anos em 20 de dezembro".
Postar um comentário