Lançamento duplo na Katuka Africanidades

Lançamento duplo na Katuka Africanidades
Dia 06 de dezembro todos os caminhos levam a Katuka Africanidades, para ouvir os comentários de Fábio Mandingo, Lindinalva Barbosa, Luis Carlos Ferreira e Vilma Reis sobre o livro #paremdenosmatar, crônicas de Cidinha da Silva. E também as percepções de Davi Nunes, Denise Carrascosa, Livia Natália e Luciana Moreno sobre o livro de poemas Canções de amor e dengo. Vai perder? Tem também o delicioso coquetel de todos os nossos encontros oferecido pela Katuka Africanidades. Resrve a data.

Postagens populares

Visualizações de páginas da semana passada

Google+ Badge

Translate

5 de dez de 2012

O homem que falava javanês


Por Cidinha da Silva

Ouvi um gestor público afirmar que em sua gestão, os programas de conversas de escritores com o público foram cancelados, porque, ao cabo, isso não forma leitores. Ademais, aquilo que os escritores têm de melhor a dizer, está dito nos textos literários.

Lembrei-me imediatamente de um salão do livro em que me perguntaram o que seria  a tal formação do leitor. Para o inquiridor, isso daria a ideia de um processo com início, meio e fim. A pergunta me pegou na curva, nunca havia refletido a respeito, principalmente nos termos de um processo fechado. Mas, quando ouvi o gestor, voltei a pensar que os sentidos até então pensados por mim para a formação de leitores fazem sentido.

A mim, em particular, a assertiva do gestor é aplicável. O melhor daquilo que digo é vocalizado por minha voz literária, mas, que esse motivo não me impeça de ter contato com o público, principalmente via programas e projetos que remunerem meu trabalho. Também não quero perder a chance de mediar, por momentos curtos, a leitura de quem aprecia minha produção, de contar meu processo criativo, de discorrer sobre particularidades desse texto ou daquele. De mostrar o meu ritmo da escrita, minha cadência textual.

Entretanto, especulo o que haverá por trás da afirmação peremptória do gestor. Fico imaginando ali uma guerrinha suja entre escritores canônicos e para-canônicos (aqueles que aspiram sê-lo e julgam que, para alcançar o objetivo, devem negar o desejo, bem como atacar os canônicos). Fogueira de vaidades e labaredas de interesses multiplamente questionáveis.

Intuo  que escritores-moradores da torre de marfim façam cara de enfado quando em contato com o povo, que não saibam dialogar, que o ar os sufoque, tão acostumados estão ao bolor. Por outro lado, são esses os autores convidados para revestir de prestígio os eventos literários.

Michael Yakini, em mesa que dividimos na UNICAMP recentemente, apresentou o trabalho realizado pelo Coletivo Elo da Corrente e sua preocupação com a formação de leitores. Quando verifico que este é um tema para o Michael, ele continua a fazer sentido para mim.

A expressão do gestor reforçou o sentimento de que o ator mais fraco do aquecido mercado editorial brasileiro continua sendo o autor, a autora. Prossegue revestida de desimportância a figura da pessoa que escreve, sem a qual a obra literária não existiria. O autor! A autora!

Postar um comentário